Arquivo para biquíni

Luxo + simplicidade + moda = ERES

Posted in Papo Calcinha with tags , , , , , , , on 16/06/2010 by Nana en Lingerie

Criada em 1968, a marca ERES começou com beachwear; na época, a estilista Irène Leroux distinguia-se por criar peças surpreendentes e um tanto quanto contraditórias: elegantes e modernas, sóbrias e sofisticadas.

Primeira loja ERES na Praça da Madeleine em Paris

Além disso, vendia suas coleções o ano inteiro, ao contrário de suas concorrentes que só apresentavam moda praia durante o verão. Passaram-se décadas e, em 1996, a maison Chanel comprou a ERES, mantendo a linha moda-praia e lançando, dois anos depois, a linha de lingerie da marca.

O sucesso foi imediato. Até então, não havia na França – e meninas, a França é o verdadeiro paraíso para comprar lingerie – ninguém que propusesse o que a ERES colocava no mercado. Até hoje as coleções da ERES traduzem um conceito de luxo sóbrio. Nada, ou quase nada, de estampas, apliques, bling-bling. O valor agregado está nos tecidos, no uso da mais fina renda de Calais, nos cortes precisos que favorecem o contorno do corpo feminino. É uma marca para público burguês tradicional. A mulher ERES é chique, tem uma sensualidade contida, sinônimo de refinamento e delicadeza. Os produtos ERES não têm nada que ver com um Victoria’s Secret, Aubade ou Wonderbra. Quem usa ERES não busca um símbolo reconhecível, um conjunto ERES é quase um segredo. São poucas as amigas que saberão reconhecer que o seu sutiã é ERES, mas aquelas que sabem, darão o justo valor.

Hoje quem faz o estilo da ERES não é mais Irène, é Valérie Delafosse. Aliás recentemente, Karl Lagerfeld, estilista das marcas Chanel e Fendi, também contribuiu para a campanha 2010 da marca. A idéia de Karl foi vestir Emily Didonato com looks Chanel e fotografá-la uma segunda vez, nas mesmas poses, apenas com roupas de baixo. O ensaio fotográfico rendeu um book enviado apenas aos clientes ERES e um aplicativo web divertido plugado no site da marca ou acessível diretamente neste link.

Basta passar o mouse sobre as fotos da top para descobrir que conjunto ERES ela esconde; um pouco como aquelas antigas canetas de pin-up. Click a modelo, está de roupa. Click, ela está de cinta-liga.

Quando pequena, ainda no colégio, lembro que essas canetas faziam o maior sucesso com os meninos. Resta saber com quem a brincadeira de Karl fará mais sucesso: conosco ou com eles.

CATFIGHT: Dita Von Teese vs Bettie Page

Posted in Catfight with tags , , , , , , , , , on 01/06/2010 by Nana en Lingerie

Quando criei a categoria catfight no blog, achei que seria difícil escrever um post onde eu realmente fosse expressar uma opinião categórica. Ingenuidade minha.

Bettie Page apareceu no cenário americano há décadas. Nascida no Tenessee, Bettie começou a carreira de modelo totalmente por acaso. Aos 27 anos, quando ainda datilografista, estabeleceu amizade com um fotógrafo amador. Daí pra frente, passou a posar para vários artistas. Aparecia de biquíni, de lingerie, nua, e até mesmo interpretando cenas de sadomasoquismo.

Com formas voluptuosas, franja rock-and-roll, e sorriso malicioso, Bettie tornou-se uma das pin-ups mais importantes dos anos 50. Fez fotos sofisticadas, filmes eróticos e atuou como parte importante do imaginário popular que levou à revolução sexual da década de 60. Embora nem todos se lembrem dela, Bettie foi e continua sendo um ícone pop, influência fundamental para muitas celebridades atuais como, por exemplo, a cantora Katie Perry, ou a dançarina Dita Von Teese.

Perdi as contas do número de vezes em que me pediram para escrever sobre a Dita. Desde o dia em que criei esse blog, quero escrever sobre ela. Mas não podia ser qualquer post. Afinal de contas, nos dias de hoje, poucas conseguem incorporar melhor fetiche e sedução só de lingerie como Dita Von Teese.

Dita é hoje a maior estrela burlesque existente. Para quem não sabe, o burlesque nasceu nos Estados Unidos, baseado em espetáculos franceses de cabaret, na arte do strip-tease antigo, na estética holywoodiana dos anos 30, 40 e 50, com tempero classic rock-and-roll. Dentro do burlesque, a Dita fez nome. Criou um espaço próprio com performances que são marcas registradas, como o número do Martini, onde aparece inteiramente vestida, tira  a roupa devagarinho para depois mergulhar em uma taça gigante onde usa uma azeitona cheia d’água para tomar banho.

Não é segredo nenhum que a Dita viu, gostou e certamente estudou a vida da Bettie Page. Era loira e tingiu-se de morena. Assim como Bettie, também cuida do seu próprio make e acompanha de perto a criação de seus figurinos. Mas Dita não é uma cópia. Ela é única. E como disse no princípio, neste catfight, tomo posição clara. Empate técnico. Tanto Bettie como Dita são, para mim, mulheres admiráveis. Não acham?

Sexy é a vovózinha

Posted in Papo Calcinha with tags , , , , , , on 22/04/2010 by Nana en Lingerie

Voltei: férias merecidas e bem aproveitadas, muita água de coco, marquinha de biquíni, banho de mar… Teriam sido perfeitas não fosse por um comentário infeliz. Fim de tarde, o sol já fraquinho, vou acertar minha conta na barraca do Uruguaio. Lá estavam duas meninas de uns 20 anos, com cara de nojo, olhando para uma senhora de uns 50 anos. “Se fosse eu, não pisava mais na praia. Chega uma hora que toda mulher precisa pendurar o biquíni e aprender a tricotar.” Primeiro, quanto preconceito. Segundo, que eu saiba todas nós chegaremos aos 50, 60, 70, ou pelo menos assim espero, já que a única alternativa é a morte. Terceiro, essas meninas estão por fora. Estilistas do mundo inteiro estão buscando inspiração no guarda-roupa das nossas avós. Até as calçolas estão voltando – mais conhecidas como hot pants – basta olhar os últimos desfiles da Dolce & Gabanna.

Enfim, o que quero dizer é que muitas vezes a ditadura da beleza está além das revistas. Prestem atenção no quanto cada uma de nós imprime críticas por vezes cruéis à outras mulheres. Mulheres bonitas podem ser jovens ou velhas, gordas ou magras, altas ou baixas. A moda escolhe determinados aspectos para realçar, hoje são mulheres jovens, magras e altas. Mas pense bem, o que você acha dos 52 anos da Michelle Pfeiffer, dos 80 centímetros da cintura da Christina Hendricks, do 1 metro e 57 centímetros da Eva Longoria? Incríveis, não?

As 7 perguntas Capitais: Entrevista com Srta Encalhada

Posted in 7 perguntas capitais with tags , , , , , , , , , , , on 03/04/2010 by Nana en Lingerie

 Há quem pense em lingerie sob a ótica do pecado. Ora, se pecado há, nada mais lógico que pedir perdão e confessar. Para tanto, acabo de criar uma nova categoria para o blog: As 7 perguntas capitais. A internet é anônima, mas será que é o suficiente para descobrirmos segredos só de lingerie?

Nossa primeira entrevista é com a ilustre Srta Encalhada, blogueira, carioca, solteira e poderosa. 

1. Segundo seu perfil, foi depois de levar um fora que você assumiu a solteirice, montou seu blog e vêem postando textos sobre como sobreviver e se divertir sozinha. Você é o retrato da mulher moderna?  

Bom, acho que sou o retrato da mulher moderna no que diz respeito a não condicionar a felicidade e o bem-estar em ter ou não um bofe. Dou dicas sim de como sobreviver e se divertir, mas não totalmente sozinha. Algo que a mulher em geral tem que perceber é que, é preciso primeiro ser feliz consigo mesma para poder ser feliz com outra pessoa, aí vem a tática de aprender a ser feliz sozinha. A mulher pode até ter ficado moderna, mas muitas têm aquela mentalidade antiga de que tem que agradar um homem para terem qualidades.

 

2. Tudo bem, você como eu, está protegida por um pseudônimo, mas quando o assunto é lingerie, antes de perguntar que tipo de conjunto fica melhor em você, precisamos saber um pouco mais sobre seu tipo físico.

 

 Me identifico com o formato pêra (mulher pêra, que maaaraaa!!!). Sempre acabo tendo alguns probleminhas na hora de comprar lingerie, pois tenho o busto pequeno e meus quadris e bumbum (pode falar bumbum né? rsrsrsrs) tem um tamanho respeitável (nessa a genética da Mamãe ahazou!). Prezo muito pelo conforto, sem claro, esquecer da beleza da peça, gosto muito daquelas calcinhas divertidas que tem mensagens engraçadas e que tem um formato tipo como um shortinho e que são confortáveis, também uso aquelas menores mas que tem tiras largas nas laterais para não marcar dos lados (corta a corrente né colega?). Já no quesito sutiã não gosto de enchimentos e sim daqueles que me dão sustentação e modelam o formato do busto, não gosto de propaganda enganosa e no meu caso a propaganda seria ENCAnosa!

Adooooro rendinhas e pedrarias nas peças quando é para estar vestida para matar as minhas escolhas sempre tendem para as peças mais românticas e em tons mimosinhos (que fofo!!!)

 

3. Que conselho você daria para quem quer desencalhar de vez e está pretendendo ficar pela primeira vez só de lingerie com um gatinho?

Primeiramente, ficar de lingerie na frente do bofe não pode ser o mecanismo de desencalhamento, se é para desencalhar tem que ser em conjunto com outras qualidades, para mim o momento lingerie-bofe, completa algo que engloba personalidade, afinidade e sentimento entre as duas pessoas. Mas para ahazar com o bofe e não fazer feio, acho que a lingerie tem que combinar com a mulher, tem que traduzir algo que ela sinta, tem que encaixar, por exemplo, não é legal uma menina mais meiga e até inexperiente colocar uma lingerie tipo sex and the city, vermelho, cinta liga, e o bafafá todo, tem que ser algo que mostre a mulher que está vestindo a peça, tem que expressar a sensualidade única daquela mulher que está ali.

 

4. Qual sua marca de lingerie preferida e o que ela tem de especial?

Como sempre eu tinha que fazer diferença. Eu não uso uma marca específica uso marcas diversas. Compro minhas lingeries com uma moça que vende várias marcas, aí eu posso comprar o sutiã de um tamanho e a calcinha de outro. As peças que ela me vende são incríveis, confortáveis e ao mesmo tempo maravilhosérrimas (inventei essa palavra). É realmente algo difícil de conseguir, mas nunca me senti desconfortável usando uma peça que ela tenha me vendido e nunca me senti menos sexy pois as peças tem uma costura leve que não marca a pele e não aparecem por baixo da roupa, tem de todos os tipos, com rendas, aplicações, pedrarias, são MAAARAAA!!!!

 

5. É notória a rixa entre paulistas e cariocas, umas dizem ser mais elegantes, outras dizem ficar mais bonitas de biquíni. Pra você que é carioca, tem algum tipo de lingerie que é mais a cara do Rio???

 Bom, apesar de não ser muito fã (como disse, prezo pelo conforto) a lingerie símbolo do Rio é, sem dúvida, o fio-dental, que é a mesma temática do biquíni, para se ter uma noção, as meninas que estudam na zona sul, já vão para a escola com o biquíni por baixo do uniforme, é só dar a hora da saída e Tibum na praia!

As meninas do funk também usam muito o fio-dental, poucas, como eu são diferentes, mas fazer o que, ia ter graça se todas fossem iguais?

É, a rixa existe, mas acho que esse negócio de que carioca fica melhor com tal peça de roupa do que paulista é balela, assim como tem mulheres muito bonitas no Rio também tem mulheres lindas e Sampa, no final das contas todas somos brasileiras e ahazamos com uma roupa curta, está no nosso sangue.

 

6. Mas afinal de contas você usa  fio dental ou não usa? é confortável?  

Repito: fio dental (para mim) não é confortável! Mas é claaaro que na hora do “só Love” (nada a ver com o Vagner do Flamengo hein!!!) quem precisa de conforto né? Vai sair do lugar mesmo! Uso em ocasiões “espechials”, mas não no dia-dia, para mim conforto é tudo, se não vão ver que seja confortável, mas se é para ser vista e ainda por cima ser tirada (hahaah baixou a piriguete hahahaha) que se dane o tal do conforto, por mais fofa que a calcinha seja, ninguém ganha do fio-dental!

 

7. E pra terminar com chave de ouro, qual o seu maior fetiche em matéria de lingerie?

Lingerie com meia e cinta liga, aquela coisa bem “inocente” (até parece), acho muito bonitas aquelas com rendas e bem mimosinhas. Não sei por que mais sempre fui meio Lolita (ohhhhhhh).