Arquivo de retrô

That’s seventies show – lingerie retrô

Posted in Papo Calcinha with tags , , , , , , , on 11/08/2010 by Nana en Lingerie

Dizem que para cada lugar há um dress-code apropriado. Se é verdade, não sei; mas, bastou colocar um pé no Hot-Hot para associar a casa noturna com as coleções retrô da PUKET.

Explico:

O Hot-Hot foi inaugurado há cerca de um ano. Como toda casa descolada de Sampa, convida DJs da moda para produzirem sets únicos, mixando disco, eletrônica, house, pop, etc… O público é seleto: mauricinhos e moderninhos bem arrumados, mulheres produzidas e bonitas, um pequeno grupo gls que não falta nunca nos lugares badaladinhos da cidade. Até aí, nada de muito inovador, certo?

Errado. A graça do Hot-Hot está na ambientação. Quem diria possível reproduzir uma estampa disco-fever em todo o andar superior sem torná-lo brega?

Não há dúvidas que a decoração busca inspiração nos dancing days da década de 70. Mas nem por isso o Hot ficou com cara de flashback empoeirado. Ao contrário, literalmente viraram a tendência pelo avesso, colocando o famoso piso do John Travolta nas alturas. Efeito final: um teto luminoso que permite mudanças de clima no dance-floor em real-time.

John Travolta em Saturday Night Fever (ou Embalos de Sábado à Noite)

Pista do Hot-Hot

Claro que para freqüentar o lugar, montar um look com a cara da casa ajuda. E, hoje, até onde sei, a PUKET é a única marca de lingerie que tenha resgatado, recentemente, prints geométricas e elementos Flower Power inspirados na década de 70.

Em matéria de qualidade, não há do que reclamar. A lycra é ótima, dificilmente esgarça. O acabamento é bem cuidado, costuras em lugares estratégicos que quase não puxam fios. A marca valoriza conforto, praticidade – oferecendo cortes e modelos variados para cada linha – e descontração – desenvolvendo estampas divertidas. Os preços variam de 20,00 a 40,00 reais para calcinhas e de 60,00 a 70,00 para sutiãs (se bem que, em tempos de liquidação, é possível encontrar as mesmas peças com descontos de até 50%!).

Mas, com tudo isso, por que será que as coleções FASHION PUKET RETRÔ e DIVERTIDA RETRÔ POP não fizeram a minha cabeça? Acho que o problema foi na hora de repaginar a tendência seventies.

A década de 70 foi uma década cheia de exageros e contrastes. Tempo de estampas ultra-coloridas; de brilhos e lantejoulas; de sobreposições e transparências; de calças boca-de-sino e maxi-acessórios; de influências folk, hippie, disco, punk; e por aí vai…  Em resumo, uma década onde criadores e estilistas ousavam.

Ora, onde é que a PUCKET ousou? O tecido é o mesmo de suas outras linhas. A estampa é clássica, mal foi modernizada. Onde está o espírito da década de 70? Este que misturava ingredientes improváveis e excessivos para chegar a um resultado final psicodélico, inesperado e genial? Por enquanto, só no Hot-Hot.

Vamos dominar o mundo só de lingerie

Posted in Papo Calcinha, Uncategorized with tags , , , , , , , , , , on 14/03/2010 by Nana en Lingerie

A revista People adora fazer listas: listas dos mais bonitos, mais ricos, e por aí vai. É claro que a festa do Oscar não podia ficar de fora. Entre as mulheres eleitas para “mais bem vestidas” estão a Miley Cirus  e a Sandra Bullock. 

 

Miley Cyrus de JENNIFER PACKHAM – Sanda Bullock de MARCHESA

Alguma dúvida sobre a relação com o mundo da lingerie?

Os desfiles que ocorreram recentemente durante as semanas de moda internacionais  também realçam a mesma tendência.

JULIEN MACDONALD – DOLCE & GABBANA – CHRISTIAN DIOR – FALL 10

O que devemos concluir? Acho que os grandes costureiros cansaram um pouco dos looks andróginos. O uso da lingerie como outerwear, é a volta da mulher. Ela pode ser punk rock, romântica ou até retrô, mas ele é feminina e tem uma boa dose de erotismo. A moda é cíclica – constatação óbvia. Mas não creiam que não há reflexão sobre que tipo de influências, passadas ou transversais merecem ser repaginadas.

Hoje a lingerie está presente em todo lugar, não só na moda. É uma tendência quase universal, que toca desde maquiagem e cosméticos até utensílios domésticos (vide a lava-roupas assinada pela famosa estilista de lingeries francesa Chantal Thomass).

  

DIOR MAKE UP SPRING COLLECTION 2010 – LAVA-ROUPAS C. THOMASS

Acho ótimo! Até porque esse tipo de troca-troca de referências ajuda a fomentar a indústria, e leva designers a pensarem em modos diferentes de tratar do mesmo assunto: ou seja mais e melhores novidades para quem, como eu, é viciada em lingerie!