Arquivo para sedução

Mil e uma Noites de Sedução

Posted in Papo Calcinha with tags , , , , , on 28/05/2010 by Nana en Lingerie

Quem nunca ouviu falar das Mil e uma Noites? Uma obra literária árabe do século 13 que faz, inclusive, parte do imaginário ocidental com suas estórias “Aladim e sua lâmpada mágica” ou “Ali Baba e os quarenta ladrões”.

Sim, a maioria de nós conhece trechos, mas nunca leu todo o livro. Poucos sabem que é carregado de erotismo, abordando temas variados, de técnicas de sedução até o bissexualismo.

Desde o princípio há uma forte tensão sexual. Ao descobrir que foi traído pela esposa, o sultão decide casar-se diariamente com uma nova donzela. Depois da noite de núpcias, executa cada uma delas, certificando-se de que homem nenhum tocou ou tocará em suas mulheres. Até que, um belo dia, toma como esposa Sherazade. Para escapar da morte, Sherazade, que de boba não tinha absolutamente nada, passa a entreter o marido com contos que nunca acabam em uma noite. Assim, mantém-se viva por mil e uma noites, até que finalmente o sultão esquece da ex infiel e poupa Sherazade definitivamente.

Moral da estória: até o mais cruel assassino pode acabar preso em uma delicada teia feminina de sedução. Basta criar desejo, mistério, e NUNCA entregar todo o ouro de uma só vez.

As mulheres árabes e persas, com seus véus e belos olhos amendoados, tinham muito o que ensinar. É uma pena que hoje fiquem cobertas. Ouso dizer que, assim como o sultão, temem que sejam cobiçadas demais. Mas como comprova  o vídeo abaixo, propaganda para o site alemão Liaison Dangereuse de lingerie em venda online, mulheres sabem ser sedutoras quando querem, com ou sem burkas. Ainda bem.

Homem de lingerie: Vô ou Num Vô?

Posted in Papo Calcinha with tags , , , , on 25/03/2010 by Nana en Lingerie

Está claro que para nós, mulheres, lingerie é um universo amplo. Gostamos de variedade e estabelecemos preferências. Já os homens não têm as mesmas opções. A maioria das marcas apresenta um mix de produto bem tradicional. Os designs, tecidos e estampas são infinitamente mais restritos. Mas o que aconteceria se as marcas de underwear masculinas passassem a ousar mais?

A marca francesa Aubade tentou inovar nesse sentido. Pra quem não conhece, a Aubade foi criada em 1875 e vende na Europa toda. Os produtos são de alto nível. A mulher que eles retratam é doce e provocante. As publicidades são icônicas, baseadas em lições de sedução: fotos em PB com uma caixa de texto pequena com mais de 100 dicas sobre a “arte de amar”.

Em 2005 a marca lançou a primeira coleção masculina seguindo a mesma receita. Começaram com quatro categorias de produto (boxer, cueca sunga, cueca fio dental e camiseta segunda pele) em tons e tecidos diferentes. Usaram cores inabituais como o rosa, e chegaram a colocar laterais de renda em alguns modelos.

Foi um fracasso total. Hoje a linha masculina nem existe mais. Ainda é possível comprar combos “lingerie feminina e lingerie masculina” da Aubade, ação comercial que promovem essencialmente perto do dia dos namorados. Mas voltaram para produtos clássicos em cores básicas: cinza, preto, azul e vinho.

O que aconteceu? Por que o público masculino não aderiu? Não posso afirmar, e a Aubade definitivamente não comunica sobre o assunto. Mas é importante lembrar que em matéria de underwear para eles, elas têm um forte poder de prescrição. Portanto se a coleção masculina não vingou, significa que as mulheres também não gostaram. Como a marca não vende no Brasil, não posso dizer que fomos nós quem deixamos de presentear nossos gatinhos com as cuecas Aubade. Mas se vendesse, você compraria?